A Sociedade Brasileira de Cardiologia estima que, no mundo, ocorre um óbito a cada 40 segundos em decorrência de doenças cardíacas, como AVC e infarto. Esse dado corrobora com outro: essas doenças são as que mais matam no mundo e também no Brasil, representando 43% dos óbitos mundial.

De acordo com a estatística, as doenças cardiovasculares matam três vezes mais que todas as causas externas (acidentes e mortes por violência); três vezes mais que as doenças respiratórias; duas vezes mais do que todos os tipos de câncer juntos e seis vezes mais que todas as infecções, incluindo a AIDS.

Em homenagem ao Dia Mundial do Coração, comemorado em 29 de setembro, surgiu a campanha Setembro Vermelho, que visa conscientizar a população sobre medidas preventivas para evitar as doenças do coração contando com o apoio das entidades e sociedades médicas.

Então, neste mês em especial, fazemos um convite a todos os nossos pacientes e leitores para refletirem sobre esses dados preocupantes e entender como podemos evitar essas enfermidades fatais.

Mais do que a cura, a prevenção aqui é a melhor e mais eficaz forma de reduzir o número de mortes. As causas dessas afecções são conhecidas e podem ser definidas basicamente como escolhas de estilo de vida. A má alimentação, a obesidade, o tabagismo, o sedentarismo e o consumo de álcool em excesso estão entre os principais fatores de risco. Sendo assim, a solução está, realmente, em simples mudanças no dia a dia da população.

Mesmo que a prevenção seja eficaz e simples, a principal dificuldade está em tratar o que aparentemente não tem sintoma. Como exemplo, 60% dos casos de infarto ocorrem em pessoas sem sintomas. Assim, o maior esforço do Setembro Vermelho é chamar a atenção para a mudança no estilo de vida das pessoas, que inclua na rotina uma alimentação rica em frutas, legumes e vegetais, com preferência por comidas naturais e com baixo teor de gorduras combinada com exercícios físicos.

Para cuidar bem do seu coração, a Examini recomenda: faça exames regularmente e se mantenha saudável e fora dos fatores de risco das doenças cardiovasculares.